AS Notícias Online
HOME ESPORTE GERAL POLÍCIA POLÍTICA EMPREGOS MULHERES AGENDA COLUNISTAS FOTOS VÍDEOS CONTATO
Bom dia - Itabira, quinta, 28 de janeiro de 2021 Hora: 08:01

JUSTIÇA
Condenado a mais de 16 anos por matar rival
19/12/2020

Conselho de Sentença com sete juradas decidiu condenar o réu por homicídio duplamente qualificado

Sentença de condenação foi anunciada depois de quase 14 horas de trabalho no Tribunal do Júri

Foi condenado hoje no I Tribunal do Júri, A.A.S., acusado pela morte de G.E.V. ocorrida em 18 de setembro de 2016. O juiz Henrique Mendonça Schvartzman, que presidiu o julgamento, considerando a decisão do conselho de sentença formado por sete mulheres, condenou o réu à pena de 16anos e seis meses de reclusão em regime fechado.

A sessão começou pouco antes das 10h. A acusação foi sustentada pela promotora Denise Guerzoni Coelho e o advogado Ércio Quaresma foi responsável pela defesa do acusado. O julgamento terminou às 23h15 desta terça-feira, 15 de dezembro.

Denúncia

De acordo com a denúncia, o acusado e a ex-companheira mantiveram união estável por dez anos, têm um filho, e se separaram no final de 2015. No dia 18 de setembro de 2016, no Bairro Jardim Atlântico, em Belo Horizonte, o acusado aproveitou-se do conhecimento prévio que tinha dos dispositivos de segurança do condomínio, onde viveu com a vítima e inclusive ocupou a função de síndico, e entrou no apartamento da ex-companheira, por volta das 4h30.

Segundo o MP, o crime foi cometido com recurso que dificultou a defesa da vítima, pois A.A.S. foi acusado de surpreender o casal enquanto dormiam e matar o namorado de sua ex-companheira com um tiro no peito,

O MP considerou que o crime foi cometido também por motivo torpe, pois o acusado estava inconformado com o novo relacionamento da ex, "uma vez que nutria por ela um sentimento de posse", e decidiu matar o namorado dela.

Sessão de Júri

Na sessão do júri que durou cerca de 13 horas, foram ouvidas a ex-companheira do acusado, um policial civil que participou das investigações e, também, interrogado o acusado.

Orientado pelo defensor, o acusado mudou sua versão no interrogatório e reconheceu que não houve qualquer reação da vítima . Ele admitiu que foi ao apartamento armado, justificando que sua intenção seria "descobrir o que estava acontecendo no apartamento".

Ele alegou que o disparo da arma se deu quando o Guilherme fez menção de levantar do sofá cama e ele se assustou achando que Guilherme iria para cima dele. Mas disse que não foi com intenção de matar ninguém.

A promotora enfatizou que a motivação do crime foi o sentimento de posse, portanto torpe, e ainda que a ex-companheira do acusado e a vítima, namorado dela, foram surpreendidos às 4h30 da madrugada, acordadas com a luz da lanterna que o acusado usava quando invadiu o apartamento.

Já a defesa pediu que as juradas condenassem o acusado, mas desconsiderassem as qualificadoras que, no entendimento da defesa, não foram comprovadas pela investigação.

O juiz Henrique Mendonça Schvartzman negou ao réu o direito de recorrer em liberdade e recomendou que ele permaneça preso onde se encontra

Veja a movimentação do processo: 002416109498-2

Ascom TJMG - Unidade Fórum Lafayette








INFORMAÇÃO COM RESPONSABILIDADE! Whatsapp: (31) 9 8863-6430
E-mail: contato@asnoticiasonline.com.br
AS Notícias Online 2021. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvedor: SITE OURO

Copyright © 2017 - AS Notícias Online - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.