AS Notícias Online
HOME ESPORTE GERAL POLÍCIA POLÍTICA EMPREGOS MULHERES AGENDA COLUNISTAS FOTOS VÍDEOS CONTATO
Bom dia - Itabira, quarta, 12 de agosto de 2020 Hora: 09:08

JUSTIÇA
Metalúrgico vai receber indenização por fraude com seu nome
09/07/2020

Primo se passava por parente diante de agentes policiais

Primo de metalúrgico, que foi preso, usou nome do parente sem obstáculos

O juiz da 4ª Vara da Fazenda Pública de Belo Horizonte, Thomás Carneiro Franco de Carvalho, condenou o Estado a indenizar um homem em R$ 20 mil por danos morais. O metalúrgico tinha diversos processos judiciais em seu nome e sofreu com suspeitas de que seria o autor de crimes. No entanto, o primo dele, que inclusive estava preso, utilizava a identificação do parente e declarava ser o metalúrgico diante de agentes policiais.

Em 2011, ao comparecer à delegacia de Venda Nova, na capital, para lavrar um boletim de ocorrência pela perda de seus documentos, o metalúrgico descobriu um processo criminal em seu nome por suposta prática de furto qualificado. Ao ver a foto de quem teria cometido o delito, ele constatou que era o primo. Existiam ainda outros três processos penais em andamento, sem que ele realmente tivesse qualquer envolvimento.

O metalúrgico pediu indenização e responsabilizou o Estado de Minas Gerais pelo erro, argumentando que precisou peticionar nos processos para a correção de seu nome, mas nada foi feito. Disse também que, por causa dos processos e das condenações, passou "por imensurável transtorno", experimentando sentimento de "indignação, tristeza, desespero, vergonha e angústia".

Julgamento

O Estado de Minas Gerais alegou que os agentes da polícia foram induzidos ao erro e não poderiam supor que os dados estavam errados. O juiz Thomás Carneiro Franco de Carvalho ressaltou que estava devidamente comprovada a falha administrativa dos órgãos estatais na identificação de quem cometeu os delitos.

Para o magistrado, a alegação do primo deveria ter sido verificada, pois a Constituição exige a identificação criminal por documentos, e não por meras declarações, justamente para evitar esses transtornos.

Embora não conste a informação de prisão do metalúrgico pelos fatos, "é certo que o nome deve ser protegido por verdadeiras informações, sendo exigível que o Estado identifique corretamente cada cidadão, sob pena de responder por tais atos", enfatizou.

Segundo o magistrado, em nenhum momento foi corrigido o nome do verdadeiro autor dos crimes e a conduta ilícita do Estado se dá pela equivocada identificação feita pelos policiais e pela manutenção do nome por tanto tempo em diversos sistemas de informação.

Cabe recurso dessa decisão, por ela ser de primeira instância.

Verifique a movimentação no PJe por meio do nº 5046821-38.2018.8.13.0024

Assessoria de Comunicação Institucional - Ascom

TJMG - Unidade Fórum Lafayette








construtorakellesduarte
INFORMAÇÃO COM RESPONSABILIDADE! Whatsapp: (31) 9 8863-6430
E-mail: contato@asnoticiasonline.com.br
AS Notícias Online 2020. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvedor: SITE OURO

Copyright © 2017 - AS Notícias Online - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.