AS Notícias Online
HOME ESPORTE GERAL POLÍCIA POLÍTICA EMPREGOS MULHERES AGENDA COLUNISTAS FOTOS VÍDEOS CONTATO
Boa noite - Itabira, sábado, 06 de junho de 2020 Hora: 23:06

JUSTIÇA
Justiça suspende decreto do Município de Brumadinho
20/05/2020

Vale alegou ter sofrido retaliações pela proibição do seu funcionamento

Decisão da prefeitura de Brumadinho suspendeu construção de adutora, mas foi revertida

O juiz da 2ª Vara de Fazenda Pública e Autarquias da capital, Elton Pupo Nogueira, deferiu pedido de tutela de urgência da Mineradora Vale S/A e suspendeu os efeitos do Decreto Municipal nº 75, da Prefeitura de Brumadinho.

O documento, de 12/05/2020, até então suspendia o funcionamento da Vale, das empresas que atuam na construção de uma adutora da Copasa na região e também os alvarás de prestadoras de serviço relacionadas à tragédia ocorrida com o rompimento da Barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, em janeiro do ano passado.

A atuação do Corpo de Bombeiros não foi, naquela data, afetada pelo novo decreto.

Na Justiça, a mineradora argumentou que o decreto foi editado sob o argumento de se evitar a disseminação do novo coronavírus, mas tinha o objetivo principal de servir como retaliação pelo não pagamento do auxílio emergencial a toda população da cidade.

Dois decretos

O juiz Elton Pupo Nogueira ressaltou que o Município de Brumadinho editou dois decretos. O primeiro, de nº 50, de 19 de março, suspendeu os alvarás de localização e funcionamento de prestadoras de serviço da Vale e de outras atividades, como casas de shows, exposições, salões de beleza, academias, bares e restaurantes.

Posteriormente, de maneira gradual, foi permitido o funcionamento das empresas nas obras de compensação e recuperação relacionadas ao rompimento da barragem.

No entanto, em 12/05, foi editado um novo decreto, o de nº 75, que suspendia expressamente, quase que de forma total, as atividades da Vale, logo após protestos públicos do prefeito municipal pelo não pagamento do auxílio emergencial a 100% da população atingida pela tragédia.

O magistrado destacou uma gravação transcrita no processo judicial onde o prefeito revela a intenção de "comprar uma guerra" com a mineradora.

"Em outras palavras, nesta fase processual e com os elementos trazidos aos autos, está suficientemente demonstrada a atuação do prefeito municipal com intenção de angariar votos dos eleitores de Brumadinho e não atuar em favor da saúde pública da cidade", disse o juiz.

Para ele, está evidenciado, a princípio, que não há adequação do motivo apresentado pelo município como causa determinante para a edição do decreto.

A suspensão dos efeitos do decreto não desobriga a Vale do atendimento das medidas de saúde determinadas pelas autoridades competentes, notadamente as relativas ao enfrentamento da pandemia de covid-19.

Por ser de primeira instância, cabe o recurso dessa decisão.

Processo nº 5065959-20.2020.8.13.0024

Assessoria de Comunicação Institucional - Ascom

TJMG - Unidade Fórum Lafayette








INFORMAÇÃO COM RESPONSABILIDADE! Whatsapp: (31) 9 8863-6430
E-mail: contato@asnoticiasonline.com.br
AS Notícias Online 2020. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvedor: SITE OURO

Copyright © 2017 - AS Notícias Online - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.